Escolher nome para o seu negócio é mil vezes mais difícil (se não mais) que escolher nome de filho.

O nome de um filho pode ser igual ao de outras pessoas (há quem discorde, e vai ver é por isso que acaba inventando aquelas combinações de nomes que mais parece nome de remédio genérico, só pra ter um nome diferente de todo mundo).

Mas nome de empresa NÃO PODE ser igual.

E além de não poder ser igual ao de outra empresa ele tem que fazer sentido para o seu negócio, ser de fácil entendimento, gerar empatia para o seu público, agradar a você ao papagaio e ao cachorro, etc, etc… afff!!! Ô tarefa difícil!

Vai ver é por isso que tem tanto nome ruim por aí! Ninguém quer se dar ao trabalho de pensar muito.

Mas não é por isto que você vai ser preguiçoso e colocar as iniciais do seu nome na sua empresa. Quer coisa mais sem imaginação que isto?

Além de ser uma atitude preguiçosa, o nome só com as iniciais ou com os sobrenomes dos sócios não diz nada a respeito do que a sua empresa faz, não remete à absolutamente nada. E sem falar que nomes assim são facilmente encontrados em empresas de advocacia ou contabilidade ou até empresas de caçamba de lixo. Tô mentindo? Não, né!

Nas minhas leituras e pesquisas por aí eu marquei uma frase que me chamou a atenção sobre este assunto que dizia o seguinte:

O nome da sua empresa é provavelmente o investimento mais longo que você vai fazer no seu negócio, então é bom que ele seja ÓTIMO!

 

GRAAAANDE VERDADE!

É por este motivo que eu te imploro: pensa mais um pouquinho antes de bater o martelo, tá?

Maaaas, por outro lado, você não pode deixar de lançar o seu trabalho no mundo por falta de um nome espetaculoso. Você não pode ficar emperrado por causa disso.

Até porque tem muita empresa que consegue atingir o sucesso com nomes, eu diria… de gosto duvidoso. Tudo bem, o cara pode não ter escolhido um nome bacana mas tem um trabalho bom, teve uma boa divulgação e o produto ou serviço foi bem aceito. O nome foi só um detalhe.

Não é o nome que vai garantir o sucesso de ninguém, mas pode ajudar (ou prejudicar muito).

Sejamos realistas

Você não é um expert na arte de dar nome às coisas (se fosse você já estaria rico!) e também não tem tempo pra ficar brincando de jogo das palavras até chegar ao nome perfeito (e que talvez este nome perfeito nunca chegue), certo?

Então seja prático e preste atenção em algumas dicas que você precisa levar em consideração na hora de dar nome a qualquer coisa, seja de um produto ou o nome da sua empresa:

01. Um nome não é só um nome, é um instrumento de marketing. Não adianta pensar “O meu produto fala por si, só”. Produto não fala e se falasse teria muito produto por aí tendo que dar explicação do porque ganhou aquele nome ridículo. Sabe mulher bonita com nome feio? A gente até esquece o fato de ela ser bonita e fica se perguntando “o que aquela mãe tinha na cabeça?”.

02. Evite nomes em outra língua ou que você precise soletrar. Aí você vai dizer “mas o meu cliente é top e entende perfeitamente o nome da minha empresa”. Vai por mim, falo por experiência própria, se o seu cliente é top ele tem secretária, e se o nome da sua empresa não consegue nem passar pela secretária então o seu nome não funciona.

O seu nome TEM que ser facilmente transmitido, não dificulte a sua vida soletrando infinitas vezes o nome da sua empresa por telefone (por telefone é SEMPRE mais complicado!).

É cansativo, eu já passei por isto e me arrependi muito do nome que escolhi no passado pro meu primeiro negócio. Chega uma hora que quando a secretária pergunta de onde é você diz que é de qualquer outro lugar ou então que é assunto pessoal só pra não ter que ficar se explicando pra todo mundo.

E não é só a pobre da secretária o problema, tem os seus fornecedores e outras pessoas com quem você precisa manter relações de negócios e seria bem interessante se todos conseguissem falar o seu nome ou escrever o seu e-mail sem dificuldades. Não é perfeito?

03. um nome conta uma história e você quer que ele conte a história certa, não quer?

04. um nome é algo intuitivo, a pessoa gosta ou não. Para entender melhor o cérebro humano é treinado pra procurar padrões e conexões. A gente percebe o mundo a nossa volta – consciente ou inconscientemente – baseado em experiências anteriores que criam conexões em nosso cérebro capaz de identificar padrões visuais e sensoriais. Para o nosso cérebro um nome pode significar algo moderno, tradicional, chato, ultrapassado, comum, divertido, sério. E pode nos remeter à áreas específicas como nomes de escritórios de advocacia, de informática, de agências de publicidade, banco, etc.

Sabendo isto, podemos dizer que:

Mais importante do que o que as palavras significam, é o que as palavras te fazem lembrar.

Uma pausa para reflexão por favor.

Pode ler de novo se precisar, este item é beeeem interessante.

05. um nome tem que ter um propósito, ser relevante, positivo, memorável, razoavelmente curto, não tão genérico, não tão similar a outros existentes, que tenha um domínio disponível na internet. SIIIIM, um domínio! óóóóóhhhh!

Se o seu “nome-perfeito.com.br” não estiver mais disponível é melhor repensar aquele fantástico nome que você levou dias pra escolher.

É, meu amigo… a vida é dura.

06. Evite o óbvio como um nome em torno do seu produto como se fosse algo informativo, exemplo: “Cupcakes da Aninha” (desculpe se este é exatamente o nome do seu negócio, foi o que me veio rapidamente a cabeça e se em 0,0002 milésimos de segundo eu escolhi um nome que já existe, é porque ele é muuuuito óbvio).

Com nomes deste tipo você vai concorrer com dezenas de outras empresas de Cupcakes da Maria, Cupcakes da Júlia. Isso se não se deparar com um nome igual ao seu na cidade vizinha a sua.

Aí você pensa, “ah, mas na cidade vizinha não tem problema, não é concorrente, está longe de mim. O meu cliente nem vai ficar sabendo que ela existe.” Como não? Então você não pensa em atingir públicos maiores? Quer vender só pro bairro? Vai ficar aí pensando pequeno?

Ou então o contrário acontece, a sua omônima faz um grande sucesso, atinge a sua cidade e abafa o seu trabalho. Que tal? Mal sapão, muito mal (báh, agora entreguei minha idade!)

07. Outro motivo pra não ficar neste tipo de obviedades é “o que acontece se o seu negócio crescer e você passar a vender outro produto que não seja só cupcake?” Você vai ter que ralar muito pra comunicar que agora vende mais do que ótimos cupcakes.

E vai chegar um dia que você vai se perguntar se ainda vale a pena continuar com a sua novidade, as maravilhosas tortas de chocolate, se os clientes só pedem pelos cupcakes. Claro, o seu nome diz: CUPCAKES!!! Eles esquecem que você vende outras coisas.

Você vai gastar uma energia do cão pra gerar esta mudança de mentalidade no seu público e isto é beeeem complicado sem falar cansativo. Seria melhor você gastar essa energia em outras coisas.

Por isto o seu nome tem que ser flexível para acompanhar o seu crescimento. E eu tenho certeza que a sua empresa quer crescer. Ou estou enganada?

Bônus:

Os benefícios de um bom nome:

o nome certo vai gerar um “barulho” por si só. A mídia, os blogueiros, os formadores de opinião e principalmente os seus clientes adoram um bom nome.

um bom nome é instantaneamente “lincável”, o que o faz instantaneamente “gostável”. Você quer que as pessoas falem de você, certo? Siiiiiim!!! Então “gostável” é o que você precisa.

cria diferenciação e faz você ser notado em um mar de mesmices. Nunca esqueça, mesmice é o seu maior inimigo, fuja dele sempre!

emocionalmente conecta o seu produto ou serviço ao seu público alvo e instantaneamente inspira lealdade. Alguém disse lealdade? Sim, queremos, por favor!

Incrivelmente, como mágica, um bom nome pode fazer isto tudo por você antes mesmo de você gastar um níquel em marketing.

Já um nome ruim não consegue provocar nenhum interesse positivo no seu público alvo. PENSE NO SEU PÚBLICO ALVO!

Mas isto é assunto pra outro dia…

Diz aí, deu pra entender a importância de um nome bem pensado? Deu vontade de repensar o seu? Diz aí!